Entre no Clube de Consumidores
e descubra todas as novidades
que temos para si.
Entre no Clube de Consumidores e descubra todas as novidades que temos para si.

Nutrição

Celíacos

O que é a intolerância ao glúten, ou doença celíaca?

A doença celíaca é uma patologia intestinal crónica relativamente comum, causadora de má absorção devido à alteração da mucosa do intestino delgado proximal (a parte do intestino mais próxima do estômago). Pode manifestar-se pela primeira vez na infância (a situação mais comum) ou na idade adulta.

Caracteriza-se pela intolerância ao glúten, um complexo de proteínas contidas no trigo, centeio, aveia, cevada e seus derivados, bem como nos alimentos que contenham estes cereais. Mais especificamente a gliadina, um dos componentes do glúten, é a substância que se torna tóxica para as pessoas com esta patologia. A introdução de alimentos com glúten no regime alimentar desencadeia a sintomatologia: irritabilidade, falta de apetite, distensão e dor abdominal, defecações frequentes, com mau odor, espumosas e volumosas, por vezes acompanhadas de vómitos. A doença gera muitas vezes deficiência em certos nutrientes, vitaminas e sais minerais.

Os sintomas intestinais e o atraso no crescimento, são frequentes diagnósticos nas crianças, durante os primeiros anos de vida. A manifestação no indivíduo adulto distingue-se pelo facto de aparecerem sintomas extra-intestinais – por exemplo, anemia ferropénica, depressão, osteoporose, infertilidade, abortos espontâneos, fadiga, etc.

A alteração que torna o organismo sensível ao glúten é uma das patologias mais frequentes de origem genética. Calcula-se que afecta 1 pessoa em cada 300, sendo 7 em cada 10 doentes mulheres.

No entender dos médicos, a doença não se pode prevenir, mas a exclusão rigorosa do glúten do regime alimentar evita a sua manifestação e progressão. Para se diagnosticar a patologia é necessário realizar análises específicas para a doença celíaca, mas ninguém se deve alarmar se uma criança apresentar síndrome de má absorção porque se tratar de uma ocorrência muito frequente. Deve sempre proceder-se a uma biopsia, para confirmação histológica do quadro clínico.

Actualmente o único tratamento eficaz consiste numa dieta sem glúten para toda a vida. Esta deve ser rigorosa, saudável e equilibrada, e os alimentos que contêm glúten não devem ser eliminados mas substituídos por outros cujas matérias-primas não o contêm. De igual maneira, os médicos alertam para que é fundamental que as pessoas leiam atentamente a bula do medicamento de modo a confirmarem a presença de glúten na composição do seu excipiente e, sempre que precisem de medicação, lembrarem-se deste facto e avisarem o médico e o farmacêutico. Em casos graves, o médico pode prescrever ao doente suplementos vitamínicos lipossolúveis ou outros princípios imediatos. Trata-se, não obstante, de uma patologia que permite levar uma vida completamente normal.


A resposta dietética

O tratamento desta doença é exclusivamente dietético e consiste em eliminar os cereais com glúten, bem como os seus derivados. É preciso eliminar quantidades muito pequenas de glúten presentes nos alimentos. A utilização generalizada dos emulsionantes, espessantes e outros aditivos derivados de cereais que contêm glúten na elaboração de alimentos processados para fins comerciais pode complicar o cumprimento rigoroso do regime alimentar livre de glúten.

Ao eliminar o glúten do seu regime alimentar, a pessoa atinge um bom estrado de nutrição num período de poucas semanas ou meses e a sintomatologia desaparece.

No início da doença pode manifestar-se intolerância transitória à lactose e, por vezes, intolerância temporária à gordura animal. Nestas etapas iniciais deve controlar-se a ingestão de lactose e de gordura animal. Uma vez controlados os sintomas, é necessário acrescentar o leite e os produtos lácteos ao regime alimentar de forma gradual, podendo aumentar-se o nível de gordura animal tendo em conta a tolerância individual. Por outro lado, é preciso conhecer correctamente os rótulos dos alimentos que possam conter glúten entre os seus componentes.


A resposta Pescanova

A Pescanova tem inovado no sentido de levar o melhor dos produtos do mar aos consumidores.

É por essa razão que, ciente da existência de pessoas com intolerâncias alimentares, a Pescanova desenvolve novas formulações capazes de alargar o consumo dos seus produtos a um maior número de consumidores.

Dentro da gama dos preparados de peixe, constituída por peixe envolto em polmes/panados feitos na sua maioria com farinhas de trigo, as nossas fábricas têm desenvolvido fórmulas de produtos que, ao melhorarem as características organolépticas dos produtos tradicionais com teor em glúten, permitem alargar o seu consumo aos doentes celíacos. Este trabalho comportou igualmente a adequação dos processos de elaboração, de maneira a assegurar que no produto não haja sequer vestígios de glúten.

Esta última garantia é particularmente decisiva nas unidades de produção que baseiam a sua actividade no fabrico de produtos envoltos em panados ou polmes, que habitualmente integram trigo. A unidade produtora Frinova, empresa do grupo dedicada à elaboração destes produtos, obteve recentemente a certificação como fabricante de produtos sem glúten, cumprindo os requisitos fixados no regulamento geral e técnico da marca de garantia “Controlo FACE", o que permite à nossa marca incluir nas embalagens dos produtos sem glúten fabricados pela Frinova o SELO DE GARANTIA FACE.

Para saber onde encontrar cada um dos produtos que compõem a Gama Sem Glúten Pescanova consulte a página específica de cada um destes produtos, começando pela página geral da gama, clique aqui.


MENU SEMANAL Equilibrado Sem Glúten

Conheça as nossas sugestões para uma alimentação equilibrada sem glúten no nosso Menu Semanal. Ver mais »

Para mais informação sobre a intolerância ao glúten, consulte a Associação Portuguesa de Celíacos:

 

www.celiacos.org.pt
Av. Júlio Dinis, n.º 23-1.º Esq. -  1050-130 Lisboa
Tel./Fax 21 753 01 93
Telemóvel 91 921 34 96 / 91 813 95 11
E-mail apc@celiacos.org ou dietista@celiacos.org.pt

Associação Portuguesa de Celíacos (APC) no Facebook.

voltar